Radicais livres não é só nos animais!

A fotossíntese é um dos processos mais importantes que ocorreu na vida de uma planta mas que em contrapartida expõe as mesmas à actividade dos radicais livres. Deste modo, as plantas produzem antioxidantes que irão combater os danos eventuais, sendo também de referir que processos metabólicos secundários das plantas (não têm como prioridade produzir compostos para a sobrevivência das células mas sim para a competição no meio ambiente e constitui uma vantagem evolucionária) têm como função a eliminação de radicais livres como também a protecção contra a oxidação causada pelo excesso de radiação ultravioleta entre outros factores, como a falta de água.

O metabolismo secundário das plantas produz compostos que atraem os insectos para as suas flores, podendo assim transferir o seu pólen.

Nas plantas, a alterações ambientais levam por vezes a formação de radicais de oxigénio muito reactivos. A resistência a essas alterações podem estar relacionadas com a actividade de enzimas envolvidas na desintoxicação dos mesmos. Esses radicais de oxigénio provocam danos celulares na planta que podem ser reduzidos através do superóxido dismutase de manganês (MnSOD) presentes nos cloroplastos e mitocôndrias (organelos mais propícios para a formação de RL). É de deduzir então que quanto maiores forem as quantidades de superóxido, maior será a redução dos danos celulares.

Curiosidades: já pensou que os microondas não trazem só benefícios, principalmente para os que têm pouco tempo de almoço e gosta de comida caseira? A água quando aquecida no microondas e após o seu arrefecimento, se for utilizada para regar plantas, principalmente no seu estado inicial de crescimento, favorece a formação de radicais livres podendo causar danos graves nas células vegetais, como a perda de rigidez da parede celular ou até mesmo a morte da célula afectada. Isto deve-se à radiação que fica retida na água, a qual vai reagir com os compostos dentro das células.

Como a nossa dieta diária inclui fruta e verduras, o nosso corpo está mais "protegido" das radiações microondas

Existe vários tipos de herbicidas (uns mais poderosos e selectivos do que outros) que utilizam diferentes formas de destruir as plantas indesejadas. Enquanto que uns utilizam compostos químicos para destruir o DNA ou os organelos celulares, outros inibem a acção dos pigmentos fotossintéticos e ainda existem aqueles que provocam radicais livres nas células. Uma exposição prolongada deste “venenos” culminam na morte da mesma.

Diogo e Carolina

Fontes:

http://www.uri.edu/ce/factsheets/sheets/herbicides.html

http://www.answerbag.com/q_view/178672

http://www.revistas.ufg.br/index.php/REF/article/viewFile/3026/3048

Imagens retiradas de:

http://www.abelhas.ufc.br/pesqand.htm

http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/microondas.asp

Nós contra os radicais livres!

Mitocôndria - organelo responsável pela respiração celular

Como já foi referenciado numa postagem anterior (clique aqui), o nosso organismo produz radicais livres devido a processos metabólicos, nomeadamente a produção de energia (ATP), na qual o oxigénio tem um papel muito importante. No entanto, o nosso próprio corpo produz substâncias que são capazes de anular ou diminuir o stress oxidativo provocado pelos RL – as enzimas (proteínas) antioxidantes. Dessas enzimas destacam-se três:

  • A superóxido dismutase: da respiração celular resultam uns compostos denominados superóxidos que por serem muito reactivos e instáveis, vão-se ligar a outras moléculas, como o azoto, podendo levar a mutações no DNA e consequentemente o aparecimento de cancro. Também destrói enzimas que têm na sua constituição ferro, libertando este para a célula. Esse ferro em excesso é tóxico, podendo provocar lesões no fígado e pâncreas. A superóxido dismutase “transforma” este radical em oxigénio (que poderá ser reaproveitado) e peróxido de hidrogénio (ainda muito reactivo);

Enzimas são proteínas formadas por centenas ou mais de aminoácidos

  • A catalase: o peróxido de oxigénio mencionado anteriormente (presente em detergentes e anti-sépticos) é então decomposto por esta enzima. Este radical, também muito reactivo, é semelhante ao superóxido e poderá oxidar lípidos das membranas celulares, levando a uma falha na permeabilidade e na troca selectiva da mesma (haverá a entrada de corpos estranhos para o interior da célula e a libertação de organelos para fora da mesma). A catalase decompõe o peróxido de hidrogénio em água e oxigénio, ambos necessários e inofensivos ao organismo;

  • A glutationa: esta enzima é sintetizada no fígado e também “degrada” o peróxido de hidrogénio. Além de reduzir outros radicais livres, a glutationa “conserta” a vitamina C oxidada, repara o DNA danificado e estimula a síntese de outros proteínas.

Apesar do nosso organismo produzir estas enzimas tão valiosas, com a poluição, a alimentação não equilibrada e o estilo de vida sedentário, estas não são o suficiente para proteger cada um do stress oxidativo. É por isso que uma dieta rica em antioxidantes é o mais aconselhável!

Autora: Ângela

Fontes: http://en.wikipedia.org/wiki/Glutathione

http://en.wikipedia.org/wiki/Superoxide_dismutase

http://en.wikipedia.org/wiki/Catalase

http://www.mundovestibular.com.br/articles/1147/1/ANTIOXIDANTES/Paacutegina1.html