Água: fonte de vida

A água é um bem precioso, embora muitas vezes as pessoas não lhe dão o seu devido valor. A Terra é constituída por 3/4 de água e apenas 3% é doce. Desses 3% apenas uma pequena porção é consumida.

A água quimicamente conhecida como H2O é considerada um solvente universal, uma vez que é capaz de se ligar a vários tipos de moléculas, como sais minerais devido à sua polaridade. As únicas moléculas não solúveis em água são os lípidos (facilmente observado com o azeite e a água). No corpo humano, ela constitui cerca de 70-75%, podendo variar conforme a idade, o sexo e a massa corporal. Esta também é utilizada em quase todos os processos metabólicos: transporte de nutrientes, síntese de moléculas, digestão, humidificação dos órgãos, reguladora de temperatura, faz parte da constituição do citoplasma das células e do sangue, entre muitos outros.

A água e o óleo de cozinha são dois líquidos imiscíveis

Nos animais a percentagem de água é mais variável, principalmente nos mamíferos devido à produção de leite. Nas plantas este líquido é necessário na fotossíntese e na evapotranspiração, sendo esta retirada dos solos pela raiz.

Escolheu-se as águas das Furnas para complementação do nosso estudo, devido ao facto de estas serem muito ricas em ferro, com é referido na postagem “São Miguel – um paraíso no centro do Atlântico“.

O ferro é um mineral necessário ao bom funcionamento do organismo: transporte de gases (hemoglobina) e mantêm os cabelos e unhas saudáveis. Este mineral pode ser encontrado em carnes, ovos, feijão, nozes, folhas verdes e cereais integrais. Porém a sua falta ou o seu excesso pode levar a diversos distúrbios.

A falta de ferro no sangue, conhecida como anemia é caracterizada por perda de peso, fadiga e irregularidade menstrual nas mulheres. Também pode levar ao aparecimento de problemas no sistema respiratório devido à falta de trocas gasosas.

O excesso de ferro conhecida como hemocromatose é caracterizado por diarreia, vómitos, dor abdominal, palidez, sonolência. Também provoca um maior número de oxidações nos compostos celulares e pode levar a necrose de órgãos vitais como o fígado.

Uma pessoa anémica possui menos glóbulos vermelhos e consequentemente uma falta de ferro no organismo

Curiosidades:

– Um português gasta cerca de 100 a 180 litros de água por dia;

– Milhões de pessoas sobrevivem com menos de 19 litros de água por dia;

– 46% da população mundial não tem água canalizada;

– Nos países mais pobres as mulheres caminham cerca de 6 km por dia para captar água;

– Uma em cada oito pessoas não têm água potável;

– 3,3 milhões de pessoas morrem todos os anos devido a problemas de saúde associados à água;

– A água no mundo tem preços diferentes conforme os países. Nos países mais pobres (Etiópia, Nigéria, Sri Lanka) para ajudar a população a água custa apenas em média menos de 0,10 €. Nos países em desenvolvimento (China, Brasil, Chile) o preço da água não ultrapassa 1,00€. Finalmente, nos países desenvolvidos (Dinamarca,Alemanha,Estados Unidos),são superiores a 1€, podendo até chegar aos 2€. Esta é uma medida implantada para reduzir o consumo de água.

Autores: Ângela, Carolina e Juliana

Fontes:

National Geografic Potugal nº 109 Abril 2010, edição especial, “Água um mundo sedento”.

http://www.mundoeducacao.com.br/biologia/composicao-agua.htm

http://www.ess.ips.pt/escola/Bioquimica/8CLE/GRUPO2/2.1.2.pdf

http://www.fundacaoluso.pt/assets/img/artigos/PDF5_A_importancia_da_agua_no_corpo_humano.pdf

http://www.eb1-n1-chaves.rcts.pt/agua.rtf

http://translate.google.pt/translate?hl=pt-PT&langpair=en%7Cpt&u=http://www.healthhype.com/excess-iron-poisoning-overload-toxicity-in-blood.html

Imagens retiradas de:

http://www.clarian.org/ADAM/doc/WomenCenter/14/000221.htm

http://tpm-textospretextosmusica.blogspot.com/2009/06/agua-x-oleo.html


Antioxidantes – Novos Horizontes

Os antioxidantes, como temos vindo a referir em postagens anteriores, são muito benéficos para a saúde. Aqui vão algumas curiosidades e descobertas recentes:

  • Algumas experiências com ratos permitiram concluir que os antioxidantes podem estabilizar o crescimento de células cancerosas ao proibir a chegada de oxigénio a estas células. Durante este estudo os cientistas verificaram que os ratos que tinham linfomas apresentavam um elevado número de radicais livres que são utilizados pela proteína HIF-1 para ajudar a produzir ATP, sendo utilizada na criação de novos vasos sanguíneos. Com a presença de antioxidantes, como é o exemplo da vitamina C ou N-acetilcisteína, os radicais livres vão ser reduzidos pelos antioxidantes, conduzindo apenas à morte das células cancerosas;

Espinafres - Fonte de vitamina E

  • Outros estudos realizados por cientistas levaram à síntese de uma família de compostos químicos a partir da vitamina E mais eficazes que esta denominados de piridinóis. Estes ligam-se ao LDL (colesterol) e protegem-no da oxidação. Os cientistas pretendem tornar estes compostos solúveis em água, ao contrario da vitamina E o que permitirá uma maior captura de radicais livres, uma vez que grande parte do nosso organismo é composto por água;
  • A pancreatite crónica é uma doença que resulta de pedras na vesícula, abuso de álcool e mutações génicas e manifesta-se através da perda de peso, diarreia, falta de vitaminas e dores abdominais agudas. Os doentes que apresentam esta patologia apresentam um elevado número de radicais livres que pode ser regulado com antioxidantes, reduzindo a dor de uma forma natural e não com o constante consumo de analgésicos;

Pipocas, o aperitivo mais antioxidante conhecido

Outra curiosidade interessante é o facto das pipocas serem o aperitivo com maior quantidade de antioxidantes e fibras.

Autora: Juliana

Fontes:

http://www.hopkinsmedicine.org/Press_releases/2007/09_10_07.html

http://exploration.vanderbilt.edu/news/news_antioxidant.htm

http://abcnews.go.com/Health/WellnessNews/story?id=8356993

http://www.naturalnews.com/025275_pain_antioxidants_antioxidant.html

Imagens retiradas de:

http://www.phoenixgardens.net/WhatWeGrow/Vegetables/SpringVegetables/tabid/57/Default.aspx

http://sobrepalavra.wordpress.com/2009/09/25/pipocas-da-vida/

Radicais livres não é só nos animais!

A fotossíntese é um dos processos mais importantes que ocorreu na vida de uma planta mas que em contrapartida expõe as mesmas à actividade dos radicais livres. Deste modo, as plantas produzem antioxidantes que irão combater os danos eventuais, sendo também de referir que processos metabólicos secundários das plantas (não têm como prioridade produzir compostos para a sobrevivência das células mas sim para a competição no meio ambiente e constitui uma vantagem evolucionária) têm como função a eliminação de radicais livres como também a protecção contra a oxidação causada pelo excesso de radiação ultravioleta entre outros factores, como a falta de água.

O metabolismo secundário das plantas produz compostos que atraem os insectos para as suas flores, podendo assim transferir o seu pólen.

Nas plantas, a alterações ambientais levam por vezes a formação de radicais de oxigénio muito reactivos. A resistência a essas alterações podem estar relacionadas com a actividade de enzimas envolvidas na desintoxicação dos mesmos. Esses radicais de oxigénio provocam danos celulares na planta que podem ser reduzidos através do superóxido dismutase de manganês (MnSOD) presentes nos cloroplastos e mitocôndrias (organelos mais propícios para a formação de RL). É de deduzir então que quanto maiores forem as quantidades de superóxido, maior será a redução dos danos celulares.

Curiosidades: já pensou que os microondas não trazem só benefícios, principalmente para os que têm pouco tempo de almoço e gosta de comida caseira? A água quando aquecida no microondas e após o seu arrefecimento, se for utilizada para regar plantas, principalmente no seu estado inicial de crescimento, favorece a formação de radicais livres podendo causar danos graves nas células vegetais, como a perda de rigidez da parede celular ou até mesmo a morte da célula afectada. Isto deve-se à radiação que fica retida na água, a qual vai reagir com os compostos dentro das células.

Como a nossa dieta diária inclui fruta e verduras, o nosso corpo está mais "protegido" das radiações microondas

Existe vários tipos de herbicidas (uns mais poderosos e selectivos do que outros) que utilizam diferentes formas de destruir as plantas indesejadas. Enquanto que uns utilizam compostos químicos para destruir o DNA ou os organelos celulares, outros inibem a acção dos pigmentos fotossintéticos e ainda existem aqueles que provocam radicais livres nas células. Uma exposição prolongada deste “venenos” culminam na morte da mesma.

Diogo e Carolina

Fontes:

http://www.uri.edu/ce/factsheets/sheets/herbicides.html

http://www.answerbag.com/q_view/178672

http://www.revistas.ufg.br/index.php/REF/article/viewFile/3026/3048

Imagens retiradas de:

http://www.abelhas.ufc.br/pesqand.htm

http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/microondas.asp

O que são pigmentos naturais?

São compostos químicos com estruturas variadas responsáveis pela coloração das plantas e dos animais, deste modo, quase todos as células contém pigmentos. Quando existe a ausência destes pigmentos em seres, são chamados de albinos.

Chimpanzé albino à esquerda

Existem os pigmentos dos legumes que são os flavonóides, os carotenóides e a clorofila e o pigmento dos alimentos provenientes dos animais que é a mioglobina.

Os flavonóides são um grupo de compostos químicos encontrados naturalmente em certas frutas, vegetais, chás, vinhos, nozes, sementes e raízes. Embora não sejam considerados vitaminas, os flavonóides têm várias funções nutricionais que têm sido descritas como modificadores de resposta biológica enquanto que a maioria actua como antioxidantes, alguns têm propriedades anti-inflamatórias, anti-alérgica e anti-cancro, podendo ainda serem considerados como receptores de luz, repelentes de insectos e funcionam como filtros da luz solar. Estes flavonóides podem ainda dividir-se em vários subgrupos: flavanas, flavanonas, flavonóis, isoflavonas e antocianinas.

Soja e seus derivados - Alimentos ricos em flavonóides nomeadamente isoflavonas

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Flavonoide

http://www.xango.com.pt/science/flavonoids

Imagens retiradas de:

http://www.gruporsbrasil-online.com.br/gilson/noticias.asp?cod=114

http://www.imperativo.org/top-10-animais-albinos-os-fantasmas-da-natureza/

Os carotenóides são pigmentos de cor vermelha, alaranjada ou amarela, encontrados nas células de todos os vegetais, actuando na fotossíntese. Também estão presentes nas células de protistas e fungos. Seguidos da clorofila, os carotenóides são os pigmentos mais importantes para a fotossíntese, protegendo também os pigmentos de clorofila do excesso de luz. São insolúveis em água, mas são solúveis em solventes orgânicos. São obtidos facilmente pelos seres humanos através de alimentos como a cenoura e o tomate, tendo como benefícios a prevenção de doenças como o cancro e aterosclerose coronariana (estreitamento das paredes das artérias coronárias). Os grupos mais conhecidos de carotenóides são o beta caroteno, o licopeno e a xantofila, sendo os três antioxidantes conhecidos.

Tomate, um fruto rico em licopeno

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Carotenoide

http://www.infoescola.com/bioquimica/carotenoides/

Imagem retirada de:

http://emporiumorganicodelivery.blogspot.com/

A clorofila é um grupo de pigmentos fotossintéticos presente nos cloroplastos (organelos presentes nas células vegetais e algas), responsável pela coloração verde das plantas. Deste modo, quando a quantidade deste clorofila começa a diminuir, as outras cores começam a sobressair. Este pigmento é importantíssimo na fotossíntese das plantas, uma vez que transformam a energia da luz solar em energia química (tendo como produtos finais a glicose e o oxigénio), podendo assim produzir seu próprio alimento.

Os "pontos" verdes são cloroplastos. A sua cor deve-se à presença de clorofila.

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Clorofila

http://www.portaldascuriosidades.com/forum/index.php?topic=34539.0

http://www.todabiologia.com/botanica/clorofila.htm

Imagem retirada de:

http://www.plantasonya.com.br/tag/curiosidades

A mioglobina é uma proteína com uma cadeia única com 153 aminoácidos e contém um grupo heme no centro. É uma proteína de fixação de oxigénio nos músculos cardíacos e esqueléticos (responsáveis pelos movimentos voluntários), não fazendo o transporte deste como a hemoglobina. Sendo um dos principais pigmentos da carne, dá a esta uma coloração vermelha quando fresca.

A mioglobina atribui uma cor vermelha à carne fresca

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Mioglobina

http://www.dqb.fc.ul.pt/cup/44337/mioglobina.htm

Imagem retirada de:

http://www.bernos.org/blog/2007/03/06/tire-sigga/

Diogo Verdinho

Detecção de radicais livres

Ao longo do tempo podemos concluir que a meia vida dos radicais livres é muito curta, dificultando assim a sua detecção. Apesar de os métodos diagnósticos ainda conterem algumas limitações, é possível ter uma noção do nível de RL por meio de exames laboratoriais que utilizam, preferencialmente, o sangue ou por observação microscópica, incluindo as medições indirectas de metais pesados que agem como intermediários na produção de radicais livres. Para que se possa “passar por cima” dessas dificuldades, muitos métodos baseiam-se na detecção de produtos estáveis pela acção dos radicais livres de oxigénio (RLO’s), tais como os hidroperóxidos.

A peroxidação lipídica desencadeia várias acções nocivas à célula, podendo resultar na sua morte

Além do método do DPPH, outro procedimento disponível para sua detecção é conhecido o método TBARS – um dos mais utilizados para estudos de peroxidação lipídica (mudanças na membrana celular que pode levar a entrada de corpos estranhos na célula e mutações a nível dos organelos) que consiste em fazer reagir o malondialdeído (bioindicador que resulta da decomposição de peróxidos instáveis derivados de ácidos gordos poliinsaturados) e que pode ser quantificado por colorimetria quando este reage com o ácido tiobarbitúrico.

Amora, um fruto rico em compostos fenólicos (antocianinas)

Porém, também podemos utilizar o método de Folin-Ciocalteau que consiste numa oxidação-redução entre os polifenóis e o reagente de Folin da qual resulta uma cor azul, tendo uma absorvância no comprimento de onda 765nm que permite a quantificação dos compostos fenólicos (fitonutrientes com poder antioxidante).

Apesar de terem as suas diferenças, ambos os métodos são utilizados tanto em animais, como em plantas.

Estes e uns outros tantos contribuem para a nossa e para a investigação de muita gente. Ajude-nos a progredir no nosso trabalhão e a transmitir a melhor das informações!

Autora: Carolina Murta

Fontes:

http://translate.google.pt/translate?hl=pt-PT&langpair=en%7Cpt&u=http://www.genprice.com/tbars.htm

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40421998000600020

http://www.jornaldepneumologia.com.br/portugues/artigo_detalhes.asp?id=92

http://felix.ib.usp.br/bib141/Projetos_2008.pdf

Imagens retiradas de:

http://andreiatorres.blogspot.com/2009/11/cha-verde-previne-fibrose-do-figado.html

http://perfisurbanos.wordpress.com/2009/09/18/

Oxidação dos alimentos

Os métodos de conservação de alimentos permitem que se possam guardá-los para uso futuro sem que se estraguem. Estes métodos têm sido utilizados ao longo de vários séculos: os nossos ancestrais usavam sal para preservar carnes e peixes, adicionavam ervas e temperos para melhorar o sabor dos alimentos, conservavam frutas com açúcares e pepinos e outros vegetais com vinagre. Ainda hoje se utilizam estas formas de proteger os alimentos. No entanto, com o desenvolvimento da ciência, outros métodos de preservação surgiram: o enlatamento, o congelamento rápido, a adição de produtos químicos, a liofilização (congelamento e aplicação de vácuo – o café solúvel e a comida dos astronautas são conservados desta forma) e a irradiação (destrói microorganismos).

A salga e a seca ainda são processos muito utilizados actualmente

Enlatamento - os alimentos passam por um processo de eliminação de microorganismos e são colocados em recipientes geralmente metálicos em conjunto com aditivos alimentares

Os agentes que preservam a integridade do alimento, os aditivos (conservantes, estabilizadores, reguladores de acidez), podem ser divididos em dois grandes grupos: os antioxidantes e os antimicrobiais.

Os antioxidantes são compostos que previnem a deterioração dos alimentos por mecanismos oxidativos. A oxidação envolve a adição de um átomo de oxigénio ou a remoção de um átomo de hidrogénio das moléculas que constituem os alimentos. São dois os principais tipos de oxidação: a auto-oxidação dos ácidos gordos insaturados e a oxidação catalizada por enzimas. Os produtos de reacção – os famosos radicais-livres – são extremamente reactivos, produzindo compostos responsáveis pelo mau odor e pela rancificação (degradação das gorduras que provocam um sabor desagradável) do alimento. Os compostos que reagem com os radicais livres podem reduzir a velocidade da auto-oxidação. Estes antioxidantes incluem os naturais, tais como o tocoferol (vitamina E) e os sintéticos, tais como o BHA e BHT, ambos derivado do fenol.

Repare que o lado esquerdo da maçã foi oxidado

A oxidação dos alimentos também pode ser causadas por reacções enzimáticas específicas. Basta cortar uma maçã ou uma banana, por exemplo, que enzimas chamadas fenolases rapidamente catalisam a oxidação de certas moléculas, deixando a face exposta com uma cor escura. Este “bronzeamento enzimático” leva à formação de pigmentos, tais como a melanina. Os antioxidantes que inibem este tipo de oxidação incluem agentes que se ligam ao oxigénio livre ou agentes que inibem a actividade enzimática, tais como o ácido cítrico e sulfito de sódio. Quando uma fruta não é descascada, o seu interior não está sujeito ao oxigénio existente na atmosfera, não ocorrendo a sua oxidação. A própria “casca” do fruto possui vários compostos, entre os quais alguns antioxidantes, que irão ajudar o fruto a manter-se nas suas condições ideais.

Além de processos oxidativos, o crescimento de microorganismos, como fungos e bactérias, também pode ser prejudicial para a qualidade do alimento. Juntamente com outras técnicas, tal como embalagens hermeticamente fechadas e refrigeração, várias substâncias químicas são utilizadas como agentes antimicrobiais. O cloreto de sódio, ou sal de cozinha, é provavelmente o mais antigo destes agentes. Ácidos orgânicos, tais como o acético e benzóico, são usados como antimicrobiais em alimentos com pH baixo.

Autoria: Diogo Verdinho

Fontes:

http://www.coladaweb.com/biologia/alimentos/conservacao-de-alimentos

http://www.qmc.ufsc.br/qmcweb/artigos/aditivos.html

http://utilizadores.leirianet.pt/~labmicbio/micalimentar.htm