Análise férrica das águas da região das Furnas

Como já foi referido em postagens anteriores, seleccionamos três águas diferentes da região das Furnas: “Glória Patri”, Nascente “Grutinha II” e próximo das fumarolas. O principal objectivo foi verificar se as mesmas eram próprias para consumo sabendo a sua quantidade de ferro. Se as águas apresentarem uma quantidade de ferro acima dos 0,3mg/l torna-se não potável, adquire um sabor metálico e pode manchar superfícies. Se as águas apresentarem uma percentagem de ferro próximo do valor máximo permitido tem uma maior capacidade de oxidar compostos do que aquelas com uma quantidade mínima ou nula de ferro.

Nascente "Grutinha II"

Para análise dessas águas, utilizou-se um método para reduzir o ião férrico (Fe3+) a ião ferroso (Fe2+). Para tal, recorreu-se ao ácido ascórbico como agente redutor e a fenantrolina para formar quelatos (compostos que “aprisionam” os iões metálicos) com os iões de ferro. Registou-se inicialmente a absorvância de concentrações de ferro conhecidas para traçar uma curva de calibração através de um gráfico, que serve para localizar a absorvância das concentrações de ferro desconhecidas das águas podendo assim determinar a sua concentração.

Soluções padrão de ferro - As que apresentam uma cor mais escura possuem maior quantidade de ferro dissolvido

Obteve-se bons resultados uma vez que a curva de calibração apresenta boa linearidade. Das águas analisadas conclui-se que a da Glória Patri apresenta uma quantidade de ferro mínima o que a torna própria para consumo. Em relação às outras águas, estas apresentam quantidades de ferro elevadas o que as torna impróprias para consumo, até mesmo para lavagens de objectos.

As três águas analisadas. Repare que a cor laranja significa que estas águas apresentam uma quantidade de ferro elevada

Elaborado por: Ângela Medeiros, Carolina Murta e Juliana Ponte

Fontes:

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/vitaminas/vitamina-c-acido-ascorbico.php

http://www.analista.com.br/fichas/Fenantrolina.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Acetato_de_s%C3%B3dio

Decreto-Lei 306/2007, de 27 de Agosto

Anúncios

Detecção de radicais livres

Ao longo do tempo podemos concluir que a meia vida dos radicais livres é muito curta, dificultando assim a sua detecção. Apesar de os métodos diagnósticos ainda conterem algumas limitações, é possível ter uma noção do nível de RL por meio de exames laboratoriais que utilizam, preferencialmente, o sangue ou por observação microscópica, incluindo as medições indirectas de metais pesados que agem como intermediários na produção de radicais livres. Para que se possa “passar por cima” dessas dificuldades, muitos métodos baseiam-se na detecção de produtos estáveis pela acção dos radicais livres de oxigénio (RLO’s), tais como os hidroperóxidos.

A peroxidação lipídica desencadeia várias acções nocivas à célula, podendo resultar na sua morte

Além do método do DPPH, outro procedimento disponível para sua detecção é conhecido o método TBARS – um dos mais utilizados para estudos de peroxidação lipídica (mudanças na membrana celular que pode levar a entrada de corpos estranhos na célula e mutações a nível dos organelos) que consiste em fazer reagir o malondialdeído (bioindicador que resulta da decomposição de peróxidos instáveis derivados de ácidos gordos poliinsaturados) e que pode ser quantificado por colorimetria quando este reage com o ácido tiobarbitúrico.

Amora, um fruto rico em compostos fenólicos (antocianinas)

Porém, também podemos utilizar o método de Folin-Ciocalteau que consiste numa oxidação-redução entre os polifenóis e o reagente de Folin da qual resulta uma cor azul, tendo uma absorvância no comprimento de onda 765nm que permite a quantificação dos compostos fenólicos (fitonutrientes com poder antioxidante).

Apesar de terem as suas diferenças, ambos os métodos são utilizados tanto em animais, como em plantas.

Estes e uns outros tantos contribuem para a nossa e para a investigação de muita gente. Ajude-nos a progredir no nosso trabalhão e a transmitir a melhor das informações!

Autora: Carolina Murta

Fontes:

http://translate.google.pt/translate?hl=pt-PT&langpair=en%7Cpt&u=http://www.genprice.com/tbars.htm

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40421998000600020

http://www.jornaldepneumologia.com.br/portugues/artigo_detalhes.asp?id=92

http://felix.ib.usp.br/bib141/Projetos_2008.pdf

Imagens retiradas de:

http://andreiatorres.blogspot.com/2009/11/cha-verde-previne-fibrose-do-figado.html

http://perfisurbanos.wordpress.com/2009/09/18/

Oxidação dos alimentos

Os métodos de conservação de alimentos permitem que se possam guardá-los para uso futuro sem que se estraguem. Estes métodos têm sido utilizados ao longo de vários séculos: os nossos ancestrais usavam sal para preservar carnes e peixes, adicionavam ervas e temperos para melhorar o sabor dos alimentos, conservavam frutas com açúcares e pepinos e outros vegetais com vinagre. Ainda hoje se utilizam estas formas de proteger os alimentos. No entanto, com o desenvolvimento da ciência, outros métodos de preservação surgiram: o enlatamento, o congelamento rápido, a adição de produtos químicos, a liofilização (congelamento e aplicação de vácuo – o café solúvel e a comida dos astronautas são conservados desta forma) e a irradiação (destrói microorganismos).

A salga e a seca ainda são processos muito utilizados actualmente

Enlatamento - os alimentos passam por um processo de eliminação de microorganismos e são colocados em recipientes geralmente metálicos em conjunto com aditivos alimentares

Os agentes que preservam a integridade do alimento, os aditivos (conservantes, estabilizadores, reguladores de acidez), podem ser divididos em dois grandes grupos: os antioxidantes e os antimicrobiais.

Os antioxidantes são compostos que previnem a deterioração dos alimentos por mecanismos oxidativos. A oxidação envolve a adição de um átomo de oxigénio ou a remoção de um átomo de hidrogénio das moléculas que constituem os alimentos. São dois os principais tipos de oxidação: a auto-oxidação dos ácidos gordos insaturados e a oxidação catalizada por enzimas. Os produtos de reacção – os famosos radicais-livres – são extremamente reactivos, produzindo compostos responsáveis pelo mau odor e pela rancificação (degradação das gorduras que provocam um sabor desagradável) do alimento. Os compostos que reagem com os radicais livres podem reduzir a velocidade da auto-oxidação. Estes antioxidantes incluem os naturais, tais como o tocoferol (vitamina E) e os sintéticos, tais como o BHA e BHT, ambos derivado do fenol.

Repare que o lado esquerdo da maçã foi oxidado

A oxidação dos alimentos também pode ser causadas por reacções enzimáticas específicas. Basta cortar uma maçã ou uma banana, por exemplo, que enzimas chamadas fenolases rapidamente catalisam a oxidação de certas moléculas, deixando a face exposta com uma cor escura. Este “bronzeamento enzimático” leva à formação de pigmentos, tais como a melanina. Os antioxidantes que inibem este tipo de oxidação incluem agentes que se ligam ao oxigénio livre ou agentes que inibem a actividade enzimática, tais como o ácido cítrico e sulfito de sódio. Quando uma fruta não é descascada, o seu interior não está sujeito ao oxigénio existente na atmosfera, não ocorrendo a sua oxidação. A própria “casca” do fruto possui vários compostos, entre os quais alguns antioxidantes, que irão ajudar o fruto a manter-se nas suas condições ideais.

Além de processos oxidativos, o crescimento de microorganismos, como fungos e bactérias, também pode ser prejudicial para a qualidade do alimento. Juntamente com outras técnicas, tal como embalagens hermeticamente fechadas e refrigeração, várias substâncias químicas são utilizadas como agentes antimicrobiais. O cloreto de sódio, ou sal de cozinha, é provavelmente o mais antigo destes agentes. Ácidos orgânicos, tais como o acético e benzóico, são usados como antimicrobiais em alimentos com pH baixo.

Autoria: Diogo Verdinho

Fontes:

http://www.coladaweb.com/biologia/alimentos/conservacao-de-alimentos

http://www.qmc.ufsc.br/qmcweb/artigos/aditivos.html

http://utilizadores.leirianet.pt/~labmicbio/micalimentar.htm