Método DPPH

Entre os vários processos para a detecção de radicais livres nos organismos ou o poder antioxidante de uma certa substância, seleccionamos o Método do DPPH.

O DPPH (2,2–Difenil–1–picril–hidrazila) é um radical livre que fica reduzido ao receber um H (hidrogénio) de uma substância dadora (o antioxidante), tornando-se numa molécula estável (fica assim sem necessidade de oxidar outros compostos). Este radical possui, em solução, cor violeta e muda para amarelo ao ser reduzido, ou seja, sofre uma descoloração. E como já devem estar a pensar, quanto maior o potencial antioxidante de uma alimento, mais rápido e acentuada será essa descoloração. Ora, a mudança de aspecto é facilmente detectável, o que torna este método simples e prático.

Repare que o átomo de azoto (N) "ganhou" o hidrogénio (H), ficando assim reduzido

Repare que o átomo de azoto (N) "ganhou" o hidrogénio (H), ficando assim reduzido

Para obter dados com maior precisão, utiliza-se um espectrofotómetro (que será explicado posteriormente) ou um colorímetro, devido à forte absorção de comprimentos de onda na banda dos 515nm por parte do DPPH. Grupiv terá auxílio deste último aparelho mencionado.

Nesses instrumentos, o feixe de luz ao contactar com a solução DPPH + alimento, indicará a quantidade de radiação que absorveu, podendo assim marcar um gráfico de absorvância – concentração de soluto.

Adaptado de protocolos fornecidos pela Dra. Carmo Barreto da Universidade dos Açores.

Autora: Ângela Medeiros

Anúncios

Introdução ao método experimental

Dia 14 de Outubro – Expedição à Universidade

Para consolidar ideias e obter opiniões  especializadas, nada melhor do que uma visita à Universidade dos Açores . Segundo a orientação da Dra. Carmo Barreto da cadeira de Bioquímica, tivemos uma breve formação acerca dos métodos utilizadas para detecção de radicais livres ou o potencial antioxidante de alimentos. Essas explicações foram ilustradas com exemplos como o chá verde e a vitamina C, já muito conhecidos pelas suas propriedades antioxidantes.

A ouvir atentamente as explicações da Dra. Carmo Barreto

A ouvir atentamente as explicações da Dra. Carmo Barreto

Foi-nos então aconselhado a utilização do Método do DPPH (que será explicado numa próxima postagem), sendo-nos fornecido temporariamente um aparelho chamado colorímetro, próprio para análise da absorvância das amostras em estudo.

Além desses momentos, também explorámos diferentes materiais de laboratório, os quais a Escola não possui, como o material necessário para uma destilação fraccionada, entre outros.

IMGP0896

A adquirir mais conhecimentos

Para finalizar, inicíamos a metodologia experimental para as Elaeagnus umbellata.

Início da metodologia experimental das E. umbellata

Início da metodologia experimental das E. umbellata

Para os mais curiosos: http://www.uac.pt/intro.php (site da Universidade dos Açores)