Côco – Antioxidante Resistente

O côco é o fruto do coqueiro, originário da Índia ocidental sendo este um fruto carnoso, de casca fibrosa, semente esbranquiçada e suculenta utilizada na alimentação juntamente com a água que se encontra dentro da semente. A quantidade da água varia de acordo com a maturidade do fruto (à medida que o fruto amadurece a água vai diminuindo). O seu período de safra vai de Janeiro a Julho, podendo em casos especiais ir até Setembro.

Côco partido ao meio

Este fruto possui um grande valor nutritivo variando de acordo com o seu estado de maturação. Em geral apresenta um bom teor em sais minerais (potássio, sódio, fósforo), fibras (bons para o estímulo da actividade intestinal), vitaminas A, B1, B2, B5 e C.

Deste modo, o coco é um bom fruto para combater a aterosclerose e o mau colesterol, é benéfico para o sistema nervoso, cérebro e pulmões, controla a pressão arterial, entre muitas outras vantagens.

Mas como já foi referido, tudo depende do estado de maturidade do fruto.

Curiosidades:

  • Para verificar se o fruto está em boas condições, batemos com uma moeda na casca. Se estiver fresco, o som será estridente. Se não houver eco a fruta está estragada.
  • No Brasil o coqueiro foi introduzindo pelos Portugueses em 1553, proveniente de Cabo Verde.
  • O coco realça o sabor dos alimentos, sendo deste modo utilizado no preparo de bebidas, pratos doces e salgados (como o caril), entre outros.

Escultura de um cão com um côco

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Coco

http://www.brasilescola.com/frutas/coco.htm

http://www.todafruta.com.br/todafruta/mostra_conteudo.asp?conteudo=1362

Imagens retiradas de:

http://www.cancertruth.net/newsletter_2009dec.html/

http://www.made-in-china.com/showroom/qiongdao/product-detailYewErXvKrQWF/China-Coconut-Shell-Handicraft.html

Diogo Verdinho

Análise férrica das águas da região das Furnas

Como já foi referido em postagens anteriores, seleccionamos três águas diferentes da região das Furnas: “Glória Patri”, Nascente “Grutinha II” e próximo das fumarolas. O principal objectivo foi verificar se as mesmas eram próprias para consumo sabendo a sua quantidade de ferro. Se as águas apresentarem uma quantidade de ferro acima dos 0,3mg/l torna-se não potável, adquire um sabor metálico e pode manchar superfícies. Se as águas apresentarem uma percentagem de ferro próximo do valor máximo permitido tem uma maior capacidade de oxidar compostos do que aquelas com uma quantidade mínima ou nula de ferro.

Nascente "Grutinha II"

Para análise dessas águas, utilizou-se um método para reduzir o ião férrico (Fe3+) a ião ferroso (Fe2+). Para tal, recorreu-se ao ácido ascórbico como agente redutor e a fenantrolina para formar quelatos (compostos que “aprisionam” os iões metálicos) com os iões de ferro. Registou-se inicialmente a absorvância de concentrações de ferro conhecidas para traçar uma curva de calibração através de um gráfico, que serve para localizar a absorvância das concentrações de ferro desconhecidas das águas podendo assim determinar a sua concentração.

Soluções padrão de ferro - As que apresentam uma cor mais escura possuem maior quantidade de ferro dissolvido

Obteve-se bons resultados uma vez que a curva de calibração apresenta boa linearidade. Das águas analisadas conclui-se que a da Glória Patri apresenta uma quantidade de ferro mínima o que a torna própria para consumo. Em relação às outras águas, estas apresentam quantidades de ferro elevadas o que as torna impróprias para consumo, até mesmo para lavagens de objectos.

As três águas analisadas. Repare que a cor laranja significa que estas águas apresentam uma quantidade de ferro elevada

Elaborado por: Ângela Medeiros, Carolina Murta e Juliana Ponte

Fontes:

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/vitaminas/vitamina-c-acido-ascorbico.php

http://www.analista.com.br/fichas/Fenantrolina.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Acetato_de_s%C3%B3dio

Decreto-Lei 306/2007, de 27 de Agosto

Caju – Antioxidante habilidoso

O caju, fruto do cajueiro (Anacardium occidentale), é oriundo do Brasil e divide-se em duas partes: o fruto, mais conhecido como castanha do caju, e o pseudofruto – pedúnculo floral que pode apresentar tonalidades entre o amarelo e o vermelho.

O fruto "verdadeiro" cresce no fim do pseudofruto (a vermelho)

O pseudofruto é rico em vitamina C e ferro podendo ser utilizado na produção de mel, doces, entre outros, sendo que o seu suco pode ser aproveitado para produzir aguardente.

O fruto é constituído por uma casca dura e uma semente, sendo apenas esta última consumida. Esta semente é rica em fibras, proteínas, minerais como o magnésio, ferro, selénio, cobre, cálcio, vitaminas A, D, E, K ,PP e do complexo B e alguns aminoácidos como a arginina.

Devido à sua constituição nutricional, a semente é eficaz no combate a doenças cardiovasculares, reumatismo e problemas de pele como eczemas, contribui para a formação do sangue e previne a prisão de ventre.

O óleo do fruto é considerado um antiséptico, limpa feridas e ajuda na sua cicatrização, sendo também indicado no combate a vermes intestinais. As folhas novas do cajueiro, quando são cozidas e postas sobre as feridas promovem a sua cicatrização.

A semente do fruto é a parte que é consumida

Juliana

Fontes:

http://www.vitaminasecia.hpg.ig.com.br/cajuorientacao.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Caju

Imagens retiradas de:

http://slog.thestranger.com/2008/04/new_fruit

http://www.dcwhawaii.com/samurai/SAMURAI.html

Caqui – Antioxidante Japonês

Conhecido em Portugal como dióspiro, este tem como nome científico Diopyros kaki e nasce no diospireiro. Fruto de origem asiática, mas muito conhecido no Japão. É cultivado em climas moderados e existem cerca de 800 variedades que podem ser divididos em duas categorias: os adstringentes que podem ser consumidos quando estão completamente maduros, visto de “arranham” na boca; e os não – adstringentes que só podem ser consumidos quando estão estaladiços.

Diospiro, um fruto semelhante a um tomate

Este fruto é muito rico em hidratos de carbono, contém poucas calorias, possui vitaminas A, B1, B2 e E. Além disso é muito rica em cálcio, ferro, proteínas e antioxidantes.

Devido ao seu elevado teor de hidratos de carbono, este tem que ser consumido moderadamente visto que tem que se ter em atenção as alterações dos níveis de açúcar. A presença de pectina nestas frutas, quando esta chega ao intestino sofre um processo que fermentação e vai ser transformada em ácidos gordos e são estes que vão ajudar no controle dos níveis de colesterol e de glicemia no organismo. Estes ainda ajudam no processo inflamatório na parede do intestino e promove uma flora intestinal mais saudável. O potássio é importante para a tensão arterial, para o equilíbrio dos fluidos do corpo e para a contracção muscular, além de que atribui um efeito diurético a este fruto em conjunto com a água que poderá ser benéfico no caso de gota e hipertensão arterial ou em caso de perdas excessivas de potássio. É desaconselhado em casos de insuficiência renal, visto que nesta condição o consumo de potássio é restrito.

Flor do diospireiro

Os carotenos são transformados em vitamina A depois de absorvidos pelo organismo. A vitamina A é um componente dos pigmentos visuais responsáveis pela recepção de luz na retina dos olhos. Além disso, é importante para uma pele saudável, no crescimento, desenvolvimento ósseo e para a reprodução.

Mas o benefício mais importante é o seu elevado teor de beta-carotenos e vitamina A que torna-o com propriedades anti-cancerígenas, a qual tende a reduzir os riscos do cancro do pulmão.

Carolina Murta*

Fontes:

http://translate.google.pt/translate?hl=pt-PT&langpair=en%7Cpt&u=http://en.wikipedia.org/wiki/Persimmon

http://www.fontedeluz.com/index.php?ver=2&id=521

http://translate.google.pt/translate?hl=pt-PT&langpair=en%7Cpt&u=http://guide2herbalremedies.com/health-benefits-persimmon-fruit/

http://www.lucrz.hpg.com.br/caqui.html

http://www.seagri.ba.gov.br/not_caqui.pdf

http://www.qualidadedesdeaorigem.com.br/fase3/etempo_caqui.htm

Imagens retiradas de:

http://www.flickr.com/photos/joeysplanting/2475681474/

http://www.flickr.com/photos/ykjc9/2931340978/

Marmelo – Antioxidante Peculiar

O marmelo é o fruto marmeleiro, o único membro do género Cydonia (Cydonia oblonga) uma árvore de tamanho médio e natural do Cáucaso (região da Ásia ocidental) pertencente à família Rosaceae. O marmeleiro é típico de regiões de climas temperados como a Ásia e o Sudeste da Europa.

Marmelos inteiros e cortado ao meio

O marmelo possui uma forma semelhante ao da pêra, uma coloração amarela-dourada, sendo deste modo conhecido como “pomo dourado”. A sua polpa é rígida e muito aromática.

Este fruto também é caracterizado pela sua enorme quantidade de vitamina C, vitaminas do complexo B, sais minerais e um bom auxiliador do funcionamento do aparelho digestivo.

Alguns dos maiores produtores deste fruto são: China, Marrocos, Argentina,Brasil, entre outros.

Como este fruto não é normalmente consumido cru, é maioritariamente utilizado na forma industrializada para a elaboração de sobremesas. Em Portugal utiliza-se para fazer marmelada.

Imagem retirada de:

http://www.freedigitalphotos.net/images/Fruit_g104-Quince_p4611.html

Fontes:

http://en.wikipedia.org/wiki/Quince

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/marmelo/marmelo.php

Diogo Verdinho

Figo – Antioxidante Elegante

Denominado cientificamente de Ficus carica, o figo é o fruto da figueira, uma árvore de folha caduca nativa do Sudoeste Asiático e da região do Mediterrâneo e praticamente cultivada em qualquer parte do mundo, pois adapta-se bem às diferentes condições ambientais, sendo os seus maiores exportadores a Turquia e o Egipto.

Figos maduros inteiros e cortado em metade

A planta realiza a autopolinização, uma vez que possui flores de ambos os sexos. Tanto as flores masculinas como as flores femininas irão originar figos, mas só os que provêm da flor feminina são comestíveis. Este fruto apresenta uma casca de cor verde, que se torna avermelhada/violeta quando maduro e o seu interior é suculento e cheio de sementes de pequenas dimensões. São consumidos ao natural, secos (a maior parte destes são comercializados desta forma, pois no estado fresco o fruto estraga-se/apodrece rapidamente), em compotas ou como acompanhamento de diversos pratos. Ao contrário do que as pessoas pensam, o figo é um fruto falso ou fruto múltiplo, pois consiste num aglomerado de flores pequenas que devido à sua proximidade unem-se formando uma só massa. A seiva desta árvores pode provocar alergias e causa irritações na pele, semelhantes a uma queimadura.

Figos secos

Porquê consumir figos? Embora o seu tamanho reduzido, este fruto é muito rico em cálcio e fibras. Além disso apresenta quantidades elevadas de sais minerais como o magnésio e o potássio. O alto teor em vitamina C, flavonóides e polifenóis tornam-o num potente antioxidante. Contudo, o figo não é aconselhável a pessoas diabéticas em excesso, pois também é muito rico em açúcares. Devido à sua riqueza nutricional, o consumo equilibrado destes proporciona um bom funcionamento do sistema digestivo, evita a prisão de ventre, combate os radicais livres presentes nas células, previne gengivites e outras infecções na zona bucal e possui propriedades anticancerígenas.

E você, já comeu figos hoje?

Autora: Ângela

Fontes:

http://en.wikipedia.org/wiki/Common_fig

http://www.todafruta.com.br/todafruta/mostra_conteudo.asp?conteudo=15051

http://www.pfaf.org/database/plants.php?Ficus+carica

Imagens retiradas de:

http://panelada.wordpress.com/2008/04/07/receitas-de-jamie-oliver/

http://www1.folha.uol.com.br/folha/comida/ult10005u361577.shtml

Antioxidantes: um novo passo na cura da SIDA?

Como todos nós sabemos, a SIDA – Síndrome da Imunodeficiência Adquirida – é um conjunto de sintomas e infecções que delibitam o sistema imunitário, sendo o vírus do HIV o responsável por isso. Infelizmente, ainda não há cura possível nem vacina para prevenção. Estudo recentes na área dos antioxidantes indicam que estes podem retardar a evolução do vírus e melhorar a qualidade de vida das pessoas seropositivas.

O vírus do HIV foi descoberto pela primeira vez em 1983 por Luc Montagnier e afecta as células defensoras do organismo – os leucócitos (ou glóbulos brancos) – nomeadamente os linfócitos T que são responsáveis por estimular outras células de defesa, destruir agentes patogénicos assim como células cancerosas. Os linfócitos T, uma vez infectados, são destruídos ou sofrem a apoptose (suicídio celular). Contudo, o vírus já se multiplicou e alastra-se pelo organismo. As pessoas seropositivas ficam assim com o sistema imunitário enfraquecido e sujeito as infecções oportunistas, como certos tipos de cancro e Influenza (gripe).

Linfócito T infectado pelo vírus do HIV (representado a vermelho)

Estudos revelam que estes pacientes possuem deficiências nutricionais, como a falta de vitaminas devido a uma má absorção e as suas células estão em constante stress oxidativo. Este excesso de radicais livres degrada proteínas, glícidos e lípidos, provoca mutações no DNA (aparecimento de células cancerosas) e pode levar à destruição de tecidos. A melhor solução para este problema será um maior consumo de antioxidantes, pois para além de neutralizar os radicais livres e corrigir os seus efeitos negativos, auxiliam a repor os níveis de hormonas no organismo e diminuem os efeitos secundários da medicação tomada, como as náuseas e a lipodistrofia (acumulação de lípidos em partes do corpo).

Os antioxidantes do próprio organismo (glutationa e outros) em quantidades normais inibem a entrada do vírus nos linfócitos e a sua replicação. Este mecanismo de ¨barreira¨ protectora poderá revelar-se ser importante na prevenção da doença e até mesmo na cura.

Angela

Imagens retiradas de:

http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%ADndrome_da_imunodefici%C3%AAncia_adquirida

http://www.fiocruz.br/ccs/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?from_info_index=21&infoid=2212&sid=10

Fontes:

http://lefextension.com.br/hiv-sida/

http://www.healthy.net/scr/Interview.aspx?Id=187

Cereja – Antioxidante Inocente

A Cereja é o fruto da cerejeira, árvore do género Prunus que tem a sua origem no território asiático, precisamente nas zona mais frias do mesmo onde são cultivadas e posteriormente foram trazidas para a Europa.

Existe uma variedade de espécies de cerejas, desde da cereja-doce, cereja-ácida ou ginja, cereja-do-rio-grande, entre outras. Este fruto pequeno, com cerca de 2cm, arredondado, de cor vermelha (mais comum, pois existe uma espécie de cerejas que são de cor negra), polpa macia e suculenta, contém um precioso valor de proteínas, cálcio, ferro e vitaminas A,B e C.

Cerejas vermelhas. O encarnado é a cor mais comum deste fruto

Cerejas vermelhas. O encarnado é a cor mais comum deste fruto

Quando são consumidas ao natural(por exemplo, como sobremesa), têm propriedades refrescantes, diuréticas e laxativas. Mas o consumo em excesso desse fruto pode provocar problemas estomacais, devido ao facto de ser rica em tanino, um polifenol que interfere com as enzimas digestivas e dificulta a absorção de ferro e proteínas.

Curiosidade: é comum ver pessoas optarem pela tatuagem de cereja, pois através desta forma de expressão ela se transforma no símbolo de castidade e inocência para as mulheres(porque se torna madura ainda na árvore) e também de paixão e primeiro amor.

Tatuagem de cerejas e respectiva flor

Bibliografia:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Cereja

http://www.midiaville.com.br/poder_das_frutas/detalhe.php?titulo=Cereja&id=13

Imagens retiradas de:

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f1/Cherry.JPG

http://www.redhairtattoo.com/2009/08/significado-flor-de-cerejeira-sakura.html

Elaborado por: Diogo Verdinho

« Older entries