Um adeus indefinido!

Por fim, o ano já passou e o projecto concluiu-se. Se esteve atento ao nosso blog, de certeza que ainda se lembra das nossas peripécias. Se é dos mais esquecidos relembramos agora as nossas actividades ao longo do ano:

  • Análise do poder antioxidante de diferentes frutas, sendo a última as caiotas neste 3º período. Nesta parte do projecto podemos concluir que a anona e os araçás foram as frutas que apresentaram o maior poder antioxidante ao contrário das caiotas, que revelaram ser as com menor poder de capturar radicais livres (tal como podem verificar no gráfico abaixo);

  • Análise da quantidade de ferro de diferentes águas da região das Furnas. Desta etapa do projecto concluímos que apenas a água da nascente “Glória Patri” apresenta os valores ideais de ferro para consumo, pois as restantes duas (nascente “Grutinha II” e junto das Fumarolas) possuem uma quantidade elevada deste mineral;

  • Manutenção de um blog, portefólio e realização de relatórios trimestrais assim como apresentações orais;

  • Entrevistas e inquéritos à comunidade;

  • Participação na IV Mostra Nacional de Ciência no Museu da Electricidade em Lisboa nos dias 27 a 29 de Maio. Apesar de não termos ganho com o nosso projecto, o Concurso dos Jovens Cientistas e Investigadores foi uma experiência notável e enriquecedora: conhecemos diferentes pessoas, partilhamos ideias sobre os projectos e alargamos os nossos horizontes. Será um daqueles momentos que nos virá à memória e poderemos dizer: “Valeu a pena!”

O nosso stand no Museu da Electricidade. Naquele momento estavamos a ser avaliados pelo júri responsável pela área de química

Esperemos que as nossas aventuras ao longo deste ano lectivo tenha inspirado futuros cientistas a prosseguir com o nosso trabalho, pois este tema não pára aqui. Todos os dias algo de novo surge. E somos nós quem necessita de ser curiosos e sedentos por novos resultados. Este é o lema ideal para pôr as mãos à obra!

Por fim, gostaríamos de fazer um agradecimento à Dra. Carmo Barreto da Universidade dos Açores pelo tempo e ajuda disponibilizado e também um muito obrigado a todas as pessoas que tornaram este projecto possível e mais divertido.

Boas férias!

Análise férrica das águas da região das Furnas

Como já foi referido em postagens anteriores, seleccionamos três águas diferentes da região das Furnas: “Glória Patri”, Nascente “Grutinha II” e próximo das fumarolas. O principal objectivo foi verificar se as mesmas eram próprias para consumo sabendo a sua quantidade de ferro. Se as águas apresentarem uma quantidade de ferro acima dos 0,3mg/l torna-se não potável, adquire um sabor metálico e pode manchar superfícies. Se as águas apresentarem uma percentagem de ferro próximo do valor máximo permitido tem uma maior capacidade de oxidar compostos do que aquelas com uma quantidade mínima ou nula de ferro.

Nascente "Grutinha II"

Para análise dessas águas, utilizou-se um método para reduzir o ião férrico (Fe3+) a ião ferroso (Fe2+). Para tal, recorreu-se ao ácido ascórbico como agente redutor e a fenantrolina para formar quelatos (compostos que “aprisionam” os iões metálicos) com os iões de ferro. Registou-se inicialmente a absorvância de concentrações de ferro conhecidas para traçar uma curva de calibração através de um gráfico, que serve para localizar a absorvância das concentrações de ferro desconhecidas das águas podendo assim determinar a sua concentração.

Soluções padrão de ferro - As que apresentam uma cor mais escura possuem maior quantidade de ferro dissolvido

Obteve-se bons resultados uma vez que a curva de calibração apresenta boa linearidade. Das águas analisadas conclui-se que a da Glória Patri apresenta uma quantidade de ferro mínima o que a torna própria para consumo. Em relação às outras águas, estas apresentam quantidades de ferro elevadas o que as torna impróprias para consumo, até mesmo para lavagens de objectos.

As três águas analisadas. Repare que a cor laranja significa que estas águas apresentam uma quantidade de ferro elevada

Elaborado por: Ângela Medeiros, Carolina Murta e Juliana Ponte

Fontes:

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/vitaminas/vitamina-c-acido-ascorbico.php

http://www.analista.com.br/fichas/Fenantrolina.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Acetato_de_s%C3%B3dio

Decreto-Lei 306/2007, de 27 de Agosto

Água: fonte de vida

A água é um bem precioso, embora muitas vezes as pessoas não lhe dão o seu devido valor. A Terra é constituída por 3/4 de água e apenas 3% é doce. Desses 3% apenas uma pequena porção é consumida.

A água quimicamente conhecida como H2O é considerada um solvente universal, uma vez que é capaz de se ligar a vários tipos de moléculas, como sais minerais devido à sua polaridade. As únicas moléculas não solúveis em água são os lípidos (facilmente observado com o azeite e a água). No corpo humano, ela constitui cerca de 70-75%, podendo variar conforme a idade, o sexo e a massa corporal. Esta também é utilizada em quase todos os processos metabólicos: transporte de nutrientes, síntese de moléculas, digestão, humidificação dos órgãos, reguladora de temperatura, faz parte da constituição do citoplasma das células e do sangue, entre muitos outros.

A água e o óleo de cozinha são dois líquidos imiscíveis

Nos animais a percentagem de água é mais variável, principalmente nos mamíferos devido à produção de leite. Nas plantas este líquido é necessário na fotossíntese e na evapotranspiração, sendo esta retirada dos solos pela raiz.

Escolheu-se as águas das Furnas para complementação do nosso estudo, devido ao facto de estas serem muito ricas em ferro, com é referido na postagem “São Miguel – um paraíso no centro do Atlântico“.

O ferro é um mineral necessário ao bom funcionamento do organismo: transporte de gases (hemoglobina) e mantêm os cabelos e unhas saudáveis. Este mineral pode ser encontrado em carnes, ovos, feijão, nozes, folhas verdes e cereais integrais. Porém a sua falta ou o seu excesso pode levar a diversos distúrbios.

A falta de ferro no sangue, conhecida como anemia é caracterizada por perda de peso, fadiga e irregularidade menstrual nas mulheres. Também pode levar ao aparecimento de problemas no sistema respiratório devido à falta de trocas gasosas.

O excesso de ferro conhecida como hemocromatose é caracterizado por diarreia, vómitos, dor abdominal, palidez, sonolência. Também provoca um maior número de oxidações nos compostos celulares e pode levar a necrose de órgãos vitais como o fígado.

Uma pessoa anémica possui menos glóbulos vermelhos e consequentemente uma falta de ferro no organismo

Curiosidades:

– Um português gasta cerca de 100 a 180 litros de água por dia;

– Milhões de pessoas sobrevivem com menos de 19 litros de água por dia;

– 46% da população mundial não tem água canalizada;

– Nos países mais pobres as mulheres caminham cerca de 6 km por dia para captar água;

– Uma em cada oito pessoas não têm água potável;

– 3,3 milhões de pessoas morrem todos os anos devido a problemas de saúde associados à água;

– A água no mundo tem preços diferentes conforme os países. Nos países mais pobres (Etiópia, Nigéria, Sri Lanka) para ajudar a população a água custa apenas em média menos de 0,10 €. Nos países em desenvolvimento (China, Brasil, Chile) o preço da água não ultrapassa 1,00€. Finalmente, nos países desenvolvidos (Dinamarca,Alemanha,Estados Unidos),são superiores a 1€, podendo até chegar aos 2€. Esta é uma medida implantada para reduzir o consumo de água.

Autores: Ângela, Carolina e Juliana

Fontes:

National Geografic Potugal nº 109 Abril 2010, edição especial, “Água um mundo sedento”.

http://www.mundoeducacao.com.br/biologia/composicao-agua.htm

http://www.ess.ips.pt/escola/Bioquimica/8CLE/GRUPO2/2.1.2.pdf

http://www.fundacaoluso.pt/assets/img/artigos/PDF5_A_importancia_da_agua_no_corpo_humano.pdf

http://www.eb1-n1-chaves.rcts.pt/agua.rtf

http://translate.google.pt/translate?hl=pt-PT&langpair=en%7Cpt&u=http://www.healthhype.com/excess-iron-poisoning-overload-toxicity-in-blood.html

Imagens retiradas de:

http://www.clarian.org/ADAM/doc/WomenCenter/14/000221.htm

http://tpm-textospretextosmusica.blogspot.com/2009/06/agua-x-oleo.html


O que se fez ao longo deste período…

“Este segundo período nunca mais acaba…”, “Ainda temos tanto trabalho para fazer…”, “Preciso de férias!” – É verdade que estes pensamentos estavam presentes nas nossas mentes muitas vezes mas, tal e qual como numa corrida de Fórmula 1, atingimos a meta e o segundo período já terminou. Relembramos então aos mais esquecidos as actividades que desenvolvemos ao longo destes três meses:

  • Pesquisa e tratamento de informaςão: novos protocolos, notícias recentes acerca dos antioxidantes, significado de termos, entre outros para podermos aplicá-los no nosso dia-a-dia e interpretar os resultados obtidos nas diferentes análises;
A tomar notas e a ouvir as explicações da Dra. Carmo Barreto da Universidade dos Açores
  • Manutenção do blogue e portefólio;
  • Análise no colorímetro dos extractos utilizando o Método DPPH para determinar o poder antioxidante de cada fruta: até ao momento, os resultados obtidos foram positivos, ou seja, as frutas seleccionadas são capazes de capturar os radicais livres, minimizando os seus efeitos negativos no nosso organismo;

A pesar a quantidade de extracto a utilizar (à frente) e colocação da solução de DPPH nos tubos de ensaio (no fundo)

Redução do DPPH (mudança da cor violeta para amarelo)

  • Preparação de novos extractos: Annona cherimoya (anona) e Sechium edule (caiota ou chuchu);
  • Realização de um inquérito à comunidade escolar acerca dos seus conhecimentos sobre o tema do nossos projecto;
  • Início da análise da quantidade de ferro presente em diferentes águas da região das Furnas: como o ferro possui propriedades oxidativas, o consumo de águas com excesso desse mineral pode levar a uma maior produção de radicais livres pelo nosso organismo.

Fumarolas, uma manifestação de vulcanismo secundário presente na região das Furnas

No próximo período iremos continuar com as análises dos extractos quanto ao seu poder antioxidante e tirar conclusões acerca das águas recolhidas. Portanto, fiquem alertos e não percam as nossas próximas aventuras!

De Grupiv

Melão – Antioxidante regulador

O melão (Cucumis melo L.) é uma fruta provavelmente nativa do Médio Oriente. Entre os maiores produtores do melão, encontram-se países tão díspares e distantes entre si, como a China e os Estados Unidos ou a Turquia e a Espanha. Portugal tem também grande aptidão para a cultura, em particular o Ribatejo e Oeste, sendo que a maior área foliar observada no nosso país atesta a extrema qualidade dos frutos produzidos, quer a nível aromático quer em ter de açúcares. Este fruto advém do meloeiro e apresenta várias espécies. Fonte abundante de fibras, o melão possui grandes quantidades de beta-caroteno (pro-vitamina A) e de vitaminas C, B e E (rico em antioxidantes), e contém uma grande quantidade de água. Além disso, é rico em cálcio, fósforo, ferro, potássio, cobre e enxofre. Mas tanta “riqueza” não tem consequências negativas no valor calórico, já que por cada 100 gramas de melão só estão a ingerir apenas 29,9 calorias.

Melão cortado ao meio e às fatias

O seu consumo traz-nos inúmeros benefícios. De entre muitos encontramos os seguintes:

  • Ajuda a combater problemas de pele;
  • Problemas reumáticos;
  • Ajuda na limpeza dos intestinos, por ser um bom diurético e laxante;
  • Recomenda-se a pessoas com problemas de fígado;
  • Bom para a febre da tifóide;
  • Problemas de esófago, garganta, obesidade, reumatismo ou gota.
  • Fortifica ossos e dentes;
  • Ajuda na desintoxicação alimentar;
  • Reduz os riscos do cancro e doenças de coração;
  • Ajuda na visão
  • Regula a menstruação.

Se sofre de alguns destes problemas não pense e melhore a sua saúde.

Autora: Carolina Murta **

Fontes:

http://www.brasilescola.com/frutas/melao.htm

http://vitaminasecia.hpg.ig.com.br/melaoorientacao.htm

http://www.frutas.radar-rs.com.br/frutas/melao/melao.htm

http://ritasousa.net/conheca-os-beneficios-de-58-frutas-e-legumes-que-traz-a-saude

Imagem retirada de:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Cantaloupes.jpg