Antioxidantes na época natalícia?

de Grupiv

“A palavra Natal faz-lhe lembrar o quê?” – Se fizéssemos esta pergunta à população, os mais preguiçosos responderiam “férias”, os mais pequenos responderiam “presentes” e os mais reservados responderiam “tempo para estar em contacto com a família”. Talvez haveria quem respondesse isso tudo. Para Grupiv, o Natal é mais uma época para recarregar o seu corpo com antioxidantes e aproveitar de todos os benefícios que os mais diversos pratos podem nos oferecer.

Os mais tradicionais certamente vão apostar no seu bacalhau cozido com hortaliças na ceia de Natal. Sabia que este peixe é rico em ómega 3, que contribui para a redução do mau colesterol, e em antioxidantes como o selénio (um reconhecido antioxidante)? O repolho e a couve portuguesa também ajudam na sua dose de vitaminas, nomeadamente a C, e fibras. Para quem não é tão fã de peixe, pode sempre dirigir-se ao perú , uma carne mais saudável do que as carnes vermelhas pelo seu baixo teor em gorduras, ou ao polvo, uma fonte de vitaminas do complexo B, potássio e selénio.

Como não podia faltar, os frutos secos frequentemente consumidos nesta época, como as nozes, as amêndoas, os pinhões e as avelãs são muito ricas em vitaminas E e minerais como magnésio e selénio. E como já adivinharam, são muito bons antioxidantes.

O chocolate, além de possuir grandes quantidades de vitaminas do complexo B e C, é rico em flavonóides, possuindo portanto propriedades antioxidantes provenientes do cacau e função cardioprotectora.

Como presente para este passagem de ano, gostaríamos de agradecer a todas as pessoas que nos ajudaram até ao momento no nosso projecto de modo a que ele pudesse avançar. Um grande obrigada a colegas, professores e à Dra. Carmo Barreto da Universidade dos Açores pela sua disponibilidade.

Esperemos que tenham um maravilhoso Ano Novo!

Fontes:

http://en.wikipedia.org/wiki/Brassica

http://en.wikipedia.org/wiki/Nut_%28fruit%29

http://en.wikipedia.org/wiki/Octopus

http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%94mega_3

http://www.alimentacaosaudavel.org/bacalhau.html

Maracujá – Antioxidante Apaixonado

É o fruto produzido pelas plantas do género Passiflora, apresentando uma forma arredondada (podendo o seu tamanho variar entre uma toranja e um limão) que na sua fase madura possui uma cor amarela ou púrpura-escuro, com uma imensa quantidade de sementes na sua polpa. Existem várias espécies de maracujás, sendo os mais conhecidos o maracujá mirim, o maracujá melão, o maracujá guaçú e o maracujá do iguapó. Como os nomes indicam, são frutos originários da América do Sul.

Um maracujá da espécie Passiflora edulis na fase madura

Este fruto para além de ser uma grande fonte de fibras, vitaminas A, C e do complexo B, também é rico em sais minerais,como por exemplo o ferro, o sódio, o cálcio e o fósforo, possuindo propriedades que funcionam como calmante natural ou sedativo no ser humano. É um fruto que necessita de um clima tropical ou subtropical para a sua reprodução adequada, sendo o Brasil o maior produtor de maracujás. São muito utilizados na produção de sumos e sobremesas, como mousses, iogurtes e gelados.

Em inglês, o maracujá é denominado de “passion fruit”. Então sendo este o fruto da paixão, já experimentou comer maracujá para ver se o seu coração começa a palpitar mais vezes e encontre a sua alma gémea?

Autor: Diogo Verdinho

Fontes:

http://www.suapesquisa.com/frutas/maracuja.htm

http://www.bonde.com.br/bonde.php?id_bonde=1-33–7-20090105

http://pt.wikipedia.org/wiki/Maracuj%C3%A1

Tangerina – Antioxidante Sumarento

A tangerina, Citrus reticulata, é uma fruta da família dos citrinos oriunda da Ásia que apresenta uma pequena dimensão e uma cor alaranjada.

Os gomos da tangerina são mais pequenos do que os da laranja e apresentam um maior número de pevides (sementes)

A sua polpa apresenta quantidades apreciáveis de vitamina A, vitamina C, fibras e sais minerais, sendo um dos que apresenta maior expressão o magnésio que tem um papel importante no organismo, nomeadamente na síntese das proteínas, na contracção dos músculos entre outras funções.

Como já foi referido em postagens anteriores, a vitamina A ajuda a aumentar a resistência às infecções e a manter os olhos e a pele saudáveis, enquanto que a vitamina C desempenha funções no sistema imunológico. A tangerina também ajuda a prevenir a arteriosclerose (endurecimento e espessamento das paredes das artérias), cancros, diabetes e doenças cardiovasculares. Para além disso apresenta um efeito diurético (facilita a excreção da urina) , digestivo, antioxidante e laxante.

Tanto a sua casca como as folhas da árvore podem ser utilizadas: as folhas para chá e a casca em doces e geleias.

E você, já comeu tangerina hoje?

Autora: Juliana Ponte

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Tangerina

Romã – Antioxidante Tradicionalista

Fruto subtropical, de nome científico Punica granatum L. e pertencente à família Punicaceae, é cultivado um pouco por todo o mundo, mas teve origem no Mediterrâneo; não suporta episódios de temperaturas baixas contínuas, mas resistem ao frio intenso e à geada.

De valor calórico reduzido e rico em vitaminas, este fruto é a Romã. Desde pequena que fui habituada a comê-la, mas nunca me interessei nem pelos benefícios, nem pelos malefícios que ela me podia trazer. Este tema,Fruta da Semana” veio aumentar os nossos conhecimentos sobre as características das frutas por nós consumidas durante toda a nossa vida.

Interior de uma romã

Pela imagem, repare no seu tom vermelho-alaranjado que este fruto apresenta; observe a quantidade de sementinhas (comestíveis) que ela nos oferece para que possamos usufruir de muitos benefícios para a saúde.

E que benefícios?

  • Este fruto acaba com infecções que possam surgir na boca (aftas), que tenham origem na garganta (amigdalites faringites, etc.), entre outros, chamando-se “antibiótico natural”.

  • Ele também ajuda na prevenção da oxidação do LDL (“mau” colesterol), que pode induzir ao endurecimento das artérias e ao desenvolvimento de aterosclerose.

De que lhe custa beber um copo de sumo de romã por dia? Só este pequeno gesto vai-lhe permitir ajudar na recepção do oxigénio, diminui o risco de progressão de doenças cardiovasculares; e vários estudos revelam que poderá combater as células que levarão à propagação do cancro da próstata e da mama.

PREVINA-SE: já comeu Romã hoje?

Autora: Carolina Murta

Fontes:

http://performance.clix.pt/html/nutricao_desc.asp?id=554

http://www.arara.fr/BBROMA.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Fruta


Efeito dos radicais livres na saúde

A presença de radicais livres no organismo deve-se tanto a processos metabólicos (produção de ATP, por exemplo), como por factores externos (factores ambientais tais como a poluição, raios-X, fumo do tabaco, etc). Estes exercem um papel importante para o funcionamento do nosso corpo e podem trazer efeitos benéficos ou prejudicais.

O excesso destes interfere na saúde humana, sendo este aumento denominado por “stress oxidativo”. Este elevado teor de RL (radicais livres) leva à morte/danos de células fazendo com que não haja o desenvolvimento dos tecidos.

Organismo produz RL → RL “roubam” electrões a compostos vizinhos → compostos vizinhos tornam-se instáveis → adquirem electrões de outros compostos → danos nas células

Mesmo que não haja a morte completa das células, os RL podem actuar nas proteínas, glícidos, lípidos, entres outros. Neste último caso (lípidos), pode ocorrer a oxidação degradativa , ou seja, há o endurecimento das membranas celulares havendo assim menos trocas com o meio extracelular, culminando em alterações metabólicas, como o envelhecimento precoce. Em contacto com o nosso material genético pode levar a mutações. Das doenças graves mais conhecidas provocadas pelos RL são a de Parkinson, osteoporose (redução na massa óssea), enfisemas (afecta os pulmões que leva à oxigenação insuficiente das células) e anginas (dor no peito devido a obstruções das veias coronárias).

Na doença de Parkinson há uma disfunção nos neurónios, afectando as sinapses

Mas os RL nem sempre fazem o papel de vilões e podem até preencher funções fisiológicas importantes do organismo, como o combate a microrganismos invasores e o controle da pressão sanguínea. Quando estes são produzidos pelas células de defesa, vão fazer com que retarde as infecções.

Autores: Diogo Verdinho e Carolina Murta *.*

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Radical_livre

http://naturaconsultorasandra.wordpress.com/2009/07/13/radicais-livres-e-a-tecnologia-em-beneficio-da-pele/

http://bioradicaisbio.blogspot.com/2009/06/beneficios-cortados.html

2º Etapa – Metanol e Filtração

Após a selecção das frutas, o próximo passo consiste na preparação das mesmas (limpar, descascar, cortar, triturar) para a colocação do metanol, que tem como fim a extracção de compostos vegetais antioxidantes (incluindo vitaminas, carotenóides, entre outros).

A seleccionar as "uvas"

Preparação dos "figos de cacto"

Preparação dos araçás

A triturar os "figos de cacto"

A triturar os araçás

Adicionando metanol

A misturar o preparado anterior

Metanol + Uvas-do-Brasil

Metanol + fruto da Costela-de-Adão no agitador magnético

De seguida, após o repouso do preparado, para separar o conteúdo concentrado da parte não utilizável (a fruta triturada), fez-se uma filtração.

Filtração do preparado metanol + uvas-do-Brasil

Filtrado dos "figos de cactos", araçás e frutos da costela-de-Adão respectivamente

O filtrado será posteriormente destilado, ou seja, o metanol irá ser evaporado por um evaporador rotativo que se encontra na Universidade dos Açores.

Evaporador Rotativo

Como se pode comprovar pelas imagens, até ao momento não foi possível obter os extractos concentrados de cada fruto para efectuar o teste do DPPH, portanto, os objectivos desta primeira fase não foram atingidos. Contudo, pretendemos concluí-los para o próximo período.

Seguiu-se uma diferente metodologia experimental para as E. umbellata que não resultou e que será explicada mais detalhadamente numa postagem futura.

Elaborado por Grupiv

Mangostim – Antioxidante Qualificado

Garcinia mangostana, mais conhecida como mangostão ou mangostim é um fruto proveniente do Sudeste Asiático e muito utilizado na medicina oriental devido às suas inúmeras qualidades como o sabor, o aroma, a riqueza nutricional e o poder antioxidante. De tamanho de uma laranja pequena, a sua casca é rija e de cor violeta, sendo rica em polifenóis que provoca um sabor adstringente (aperto na língua), daí ser resistente a fungos, bactérias e afasta possíveis predadores. O seu interior (parte comestível) é branco rosado e encontra-se dividido é pequenos segmentos, como os gomos de um citrino.

O interior do mangostim é branco e dividido em gomos.

O mangostim possui quantidades consideráveis de vitamina C, fósforo e cálcio. O seu sumo contém xantonas, um fitonutriente proveniente do metabolismo das plantas com actividade anti-microbiana, anti-inflamatória, anti-tumoral, entre outras.

Em países como a Tailândia, China e Singapura, as árvores que dão este fruto e ele próprio são utilizadas em carpintaria, curtume (processamento do couro), como corante e óleos medicinais.

E você, já comeu mangostim hoje?

Autora: Ângela Medeiros

Fontes:

http://www.hort.purdue.edu/newcrop/morton/mangosteen.html

http://www.xantonas.pt/

http://en.wikipedia.org/wiki/Purple_Mangosteen