Morango – Antioxidante Alegre

O morango, é uma das espécies de Fragaria e provém dos morangueiros, sendo mais consumida no Verão e princípios do Outono. É rico em vitamina C daí o seu consumo evitar a fragilidade dos ossos e a má formação dos dentes. Esta vitamina também dá resistência aos tecidos, age contra infecções, ajuda a cicatrizar ferimentos e evita hemorragias. O morango possui, em menor quantidade, vitamina B5, conhecida como niacina. Ela tem a função de evitar problemas de pele, do aparelho digestivo e do sistema nervoso. Natural ou em sumos, o morango é recomendado como auxiliar do tratamento do reumatismo. É ainda eficiente contra infecções do fígado, garganta e vias urinárias.

A parte vermelha do morango não é o verdadeiro fruto ao contrário do que muitos pensam

Tecnicamente o morango não é um fruto mas sim um pseudofruto, sendo “os pontos amarelos” o verdadeiro fruto.

O cultivo de morangos requer muitos cuidados porque é uma planta muito sensível a doenças e a alterações climáticas.

Autor: Diogo Verdinho

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Morangueiro

http://www.vitaminasecia.hpg.ig.com.br/morangoorientacao.htm

Anúncios

Qual a quantidade certa?

As avitaminoses ou hipovitaminoses são uma família de doenças causadas pela falta ou deficiência de vitaminas no organismo e é classificada segundo a vitamina em falta, embora algumas vezes tenha nome próprio. Geralmente devem-se a uma alimentação incompleta, mas podem também surgir na sequência de outros problemas de saúde. Algumas destas doenças, como o escorbuto, provavelmente a primeira avitaminose conhecida, podem ser tratadas apenas com suplementos vitamínicos. A falta de vitaminas podem provocar muitas doenças no nosso organismo, como por exemplo, a falta de vitamina A provoca sobretudo a falta de visão tanto nocturna como diurna; a falta de vitamina B como as restantes do seu complexo origina doenças como beribéri (fraqueza muscular e dificuldades respiratórias). A deficiência de piridoxina (vitamina B6), biotina (vitamina H) pode perturbar o funcionamento metabólico normal, como a anemia, náuseas e nervosismo. A carência de vitamina C provoca especialmente hemorragias internas e nasais e o escorbuto acima mencionado. As quantidades insuficientes de vitamina D, podendo ser devido à falta de exposição solar, provoca o raquitismo – atraso do desenvolvimento dos ossos nas crianças e o aumento da fragilidade dos mesmo nos adultos.

Exemplo de uma estrutura óssea possível para pessoas com raquitismo

Para mais informações:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Avitaminose

http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt/action/2/cnt_id/1166/

http://www.todabiologia.com/saude/avitaminose.htm

Hipervitaminose, ou envenenamento por vitamina, refere-se à condição de armazenamento de altos níveis de vitaminas, que podem levar a sintomas tóxicos. Alguns exemplos são a hipervitaminose A que é caracterizada por diversos sintomas, como náuseas, alterações do cabelo (que ficam ásperos e caem facilmente), ressecamento e escamação da pele, dor nos ossos, fadiga e sonolência. Também são comuns problemas de visão, dores de cabeça, distúrbios de crescimento e aumento do fígado. A hipervitaminose D pode provocar fraqueza, fadiga, perda de apetite, náusea e vômitos. A vitamina C, por exemplo, tem sido utilizada em doses diárias 1000 vezes acima da dose diária recomendada, mas embora sem efeitos tóxicos (e frequentemente utilizada no tratamento de doenças graves, como as cardiovasculares) podem exercer um forte efeito laxativo em pessoas saudáveis. É importante ressaltar que nem todas as vitaminas geram um quadro de hipervitaminose.

Fontes:

http://mymemory.translated.net/t/Portuguese/English/hipervitaminoses

http://pt.wikipedia.org/wiki/Hipervitaminose

http://www.familiacrista.com/cgi-bin/getfromdb.pl?menu=EEVEylEZuphXQeClqi&ano=2006&mes=12&xms=artigos

Autor: Diogo Verdinho

1º etapa – Selecção de frutas

Das milhares escolhas possíveis no campo das frutas para testarmos o poder antioxidante, escolhemos para esta primeira tentativa as seguintes frutas:

  • Elaeagnus umbellata, conhecidas como uvas-do-Brasil ou de forma errada como groselhas;
  • Psidium cattleianum, conhecidas como araçás;
  • Monstera deliciosa, conhecida como costela-de-Adão ou banana macaco;
  • Opuntia, um género de “figos de cactos”.

Araçás: frutos de pequenas dimensões em forma de baga, sendo constituído por uma polpa esbranquiçada com várias sementes, podendo a sua casca ser amarela ou vermelha. Os seus arbustros são de folha perene (persistente), que florescem de Junho a Dezembro e têm frutos de Setembro a Março. São ricos em vitaminas A, B e C e sais minerais. Além disso, possuem fibras, ácido fólico e cítrico. Deduz-se da sua composição química que será um bom antioxidante.

Para mais informações:

http://plantas-medicinais.me/tag/planta-medicinais/page/2

http://www.hort.purdue.edu/newcrop/morton/cattley_guava.html

Araçá comido por um pássaro

Amostra utilizada

Uvas-do-Brasil: proveninente da Ásia (da zona dos Himalaias e Japão), é um fruto de pequenas dimensões de cor vermelha, podendo ter pontos brancos. Estes frutos são muito ricos em vitaminas A, B e E, flavonóides, ácidos gordos , proteínas e licopenos. Devido à sua constituição, admite-se que tem um poder antioxidante e há estudos acerca do seu papel na prevenção do cancro na próstata.

Em São Miguel (Açores), estes arbustros encontram-se em pastos, que crescem de forma selvagem sem serem cuidados, sendo considerado uma espécie invasora.

Para mais informações:

http://en.wikipedia.org/wiki/Elaeagnus_umbellata

Uvas-do-Brasil ou gumi

Costela-de-Adão: fruto proveniente do México. As suas folhas são perfuradas e às “tiras”, sendo semelhantes às costelas de uma pessoa. A casca do fruto é uma espécie de escamas que soltam-se naturalmente depois de maduro. O seu interior é esbranquiçado assemelhando-se a um ananás. Toda a planta é tóxica devido ao teor de ácido oxálico à excepção do fruto quando se encontra próprio para consumo. Normalmente é usado em jardinagem e decoração de halls de entradas em hotéis e outros.

Para mais informações:

http://en.wikipedia.org/wiki/Monstera_deliciosa

Folha da costela-de-Adão

Flor da costela-de-Adão

Costela-de-Adão ainda verde

Casca da costela-de-Adão

Opuntia: género da família Cactaceae (cactos) nativa do continente americano. Os seus frutos podem ser comidos ao natural, na confecção de doces ou batidos. Como todos os cactos, apresenta espinhos até no fruto, sendo nos últimos de menores dimensões. Há estudos realizados acerca do seu efeito para combater a diabetes II, diarreia, dores de estômago e ressacas, mas não são conclusivos. É utilizado para fabrico de corante e em cosméticos.

Para mais informações:

http://en.wikipedia.org/wiki/Opuntia

Opuntia ainda sem frutos

Opuntia com frutos ainda verdes

Fruto maduro

Autoras: Ângela Medeiros e Juliana Ponte

Pêra – Antioxidante Doce

A pêra, fruto das regiões temperadas, proveniente da pereira, árvore da família Rosaceae, é um fruto de média dimensão que contém na sua composição as vitaminas A, C e de todas as do complexo B, sendo ainda rica em sais minerais (sódio, cálcio, ferro, …) e fibras.

Pêra, mais um antioxidante para a lista!

Estes são componentes que desempenham um importante papel na regulação dos sistemas nervoso e digestivo, na prevenção da prisão de ventre, inflamações, queda de cabelo e problemas de pele. Ajudam também a manter o sangue, dentes e ossos saudáveis e a combater os radicais livres.

Devido ao baixo teor calórico e fácil absorção é frequentemente utilizada em dietas alimentares.

Pode ser consumida ao natural, cozida ou em doces como tartes ou nas épocas mais quentes em gelados e batidos.

Autora: Juliana

Adaptado de:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Pera

http://www.confagri.pt/Ambiente/curiosidades/curiosidade17.htm

ABC das vitaminas

Hoje em dia todos nós sabemos que as vitaminas são fundamentais para a nossa saúde, no entanto, não nos preocupamos em saber em que locais estas actuam mais concretamente.

A vitamina A (retinol) encontrada na cenoura, abóbora, milho, ovo, leite e derivados é importante na manutenção dos epitélios (revestimento dos órgãos e as cavidades corporais internas), no combate dos radicais livres e na prevenção da “cegueira nocturna”.

Fontes de vitamina A

A vitamina C (ácido ascórbico) proveniente dos citrinos, tomate, repolho, entre outros, é essencial no combate de radicais livres, na prevenção de infecções, na cicatrização de feridas e queimaduras e na absorção de ferro (importante para o sangue, uma vez que ajuda no transporte de gases – oxigénio e dióxido de carbono).

Citrinos – vitamina C a dobrar!

A calciferol (vitamina D) é importante na prevenção do raquitismo e na manutenção dos ossos e dentes. É encontrada em maior quantidade no óleo de fígado de bacalhau, fígado, cereais e lacticínios.

Leite e seus derivados fornecem vitamina D

Tocoferol (vitamina E) previne a esterilidade e o aborto, danos na membrana celular e ajuda no combate aos radicais livres, sendo encontrada em carnes magras (peru, coelho, entre outras), lacticínios e peixe.

Sabia que os amendoins são óptimos "dadores" de vitamina E?

A vitamina K (naftoquinona) essencial na coagulação do sangue é encontrada em vegetais e na castanha.

As vitaminas do complexo B – B1 (tiamina), B2 (riboflavina), B3 (niacina ou ácido nicotínico), B6 (pirodoxina), B12 (cianocobalamina) – provenientes dos vegetais, carnes, ovos, cereais integrais, legumes, frutas, entre outros são indispensáveis para a oxidação dos alimentos, para o funcionamento dos sistemas nervoso e digestivo e intervêm na respiração celular.

Alimentos ricos em vitaminas do complexo B

Agora que já tem mais alguma informação sobre a importância das vitaminas no nosso organismo, pense se está a ingerir a quantidade adequada destas de modo a manter o seu organismo saudável.

Um copo de sumo de laranja natural em conjunto com uma salada de atum, ovo e legumes é uma óptima forma de as obter. Já viu como é fácil consumir vitaminas?

Autora: Juliana Ponte

Adaptado de:

http://www.suapesquisa.com/ecologiasaude/tabela_vitaminas.htm

http://www.saudepublica.web.pt/05-promocaosaude/051-educacao/vitaminas.htm

http://www.copacabanarunners.net/vita.html

O povo sabe, ou não sabe?

da autoria de Grupiv

O povo sabe, ou não sabe? Eis a questão!

Certeza ou dúvida?

Para ouvir as opiniões públicas, visite o link abaixo:

http://grupiv.blogspot.com/2009/11/o-povo-sabe-ou-nao-sabe.html

Em suma, a população geral não possui grandes conhecimentos na área dos antioxidantes. É verdade que conhecem o termo em si, mas desconhecem o seu papel na saúde. Assim como sabem o que é uma alimentação equilibrada e saudável mas não a praticam por diversos motivos.

Castanha – Antioxidante Quentinho

Castanhas

Uma forma de preparar castanhas

Tendo em conta a época em que nos encontramos, é propício perguntar: que fruto é o mais apetecido, quando o frio começa a apertar e as lareiras se acendem? Possivelmente responderia o mesmo que eu, a Castanha. Comê-las sempre foi bom, mas muitas das pessoas não sabem se fazem bem, se fazem mal, a sua composição, para que fins pode ser usada, e até mesmo a sua origem.

Presumindo-se que sejam oriundas da Ásia Menor, Balcãs e Cáucaso, a castanha que comemos é, de facto, uma semente que surge do interior de um ouriço. Bastante ricas em vitaminas C e B6, e uma boa fonte de potássio, razão pela qual, em tempos antigos, esta substituía o pão, quando este escasseava. Ela é muito utilizada na cozinha tradicional. Pode ser comida assada, cozida, em puré, acompanhando um prato, e até mesmo substitui a batata na sopa, quando ainda não é tempo desta.

Em termos medicinais, a castanha contribui para aumentar a quantidade de leite materno, serve para pessoas com problemas de fígado ou rins, e ajuda pessoas que tenham dificuldades na digestão dos alimentos.

 Pense na sua saúde, por isso, coma castanha hoje!

 Informações extra:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Castanha

http://consultoriodeastrologia.blogs.sapo.pt/536862.html

Autora: Carolina Murta

Espectrofotómetro e colorímetro – Dois aparelhos famosos no mundo dos antioxidantes

Espectrofotómetro
Espectrofotómetro

O espectrofotómetro é um instrumento que permite comparar a radiação absorvida ou transmitida por uma solução que contém uma quantidade desconhecida de soluto e uma quantidade conhecida da mesma substância.

Todas as substâncias podem absorver energia radiante (mesmo o vidro, que parece completamente transparente, absorve comprimentos de ondas que pertencem ao espectro visível). A absorção das radiações ultravioletas, visíveis e infravermelhas dependem das estruturas das moléculas, sendo característica para cada substância química.

Quando a luz atravessa uma substância, parte da energia é absorvida (absorvância): a energia radiante não pode produzir nenhum efeito sem ser absorvida.

A cor das substâncias deve-se à absorção (transmitância) de certos comprimentos de ondas da luz branca que incide sobre elas, deixando transmitir aos nossos olhos apenas aqueles comprimentos de ondas não absorvidos (ou seja, não vemos aqueles que são captados).

Colorímetro
Colorímetro

Basicamente com as mesmas características que o aparelho referido acima, temos o colorímetro, que é descrito geralmente como qualquer instrumento que caracteriza amostras de cores e é o aparelho utilizado pelo nosso grupo actualmente.

Na química, o colorímetro é um aparato que permite a determinação da absorvância de uma solução em uma frequência particular cores. Colorímetros tornam possíveis as verificações de concentração de um soluto conhecido, desde que esta seja proporcional à absorvância.

Adaptado de http://pt.wikipedia.org/wiki/Espectrofot%C3%B4metro; http://pt.wikipedia.org/wiki/Espectrofotometria; http://pt.wikipedia.org/wiki/Color%C3%ADmetro

Autora: Carolina Murta

« Older entries